quinta-feira, 5 de abril de 2018

Seja amor, ainda que só apareça a dor...

Eu não sei por onde começar. As lágrimas gordas rolam nos meus olhos sem nenhum controle. 
Eu tenho vontade de voltar no tempo e fazer alguma coisa, mas eu não posso e nem pude. 
E isso me corta ao meio!

Presenciei um suicídio. 
Quanta impotência senti ao ver uma pessoa tirar a própria vida na minha frente e eu nem tive tempo de impedir.
E se soubesse que a bonita moça tivesse chegado no seu limite, o que eu teria feito?! 
Talvez a segurasse com todo minha força ou talvez gritasse para todos não a deixarem pular. 

Com aquela cena pairando meus pensamentos eu só consigo pensar no quanto DEVEMOS ser gentis, sorrir sempre para o outro. 
Nunca sabemos a imensidão dos problemas, dos sentimentos que envolvem as pessoas ao nosso redor.
Não podemos e nem devemos piorar o dia de alguém. 
Por mais que esse alguém, talvez, nos tenha destratado, humilhado ou simplesmente ignorado. 
Se isso ele fez, talvez, fosse o problema dele que a levou a reagir assim. E por mais que para nós pareça difícil, devemos dar amor mesmo que com um simples bom dia.
Talvez, você também não esteja bem, mas ao dar um sorriso para um estranho com um bom dia, isso também o ajudará. 

Em momento algum conversei com aquela bonita moça. 
Não sei seu nome e muito menos o que levou ela tirar sua própria vida. Talvez, ela só quisesse acabar com sua dor e a solução que ela achou mais fácil foi acabando com tudo.
Eu ouvi pessoas tentando adivinhar o motivo da sua fuga. 
E me doeu tanto ouvir as pessoas falando que ela não tinha Deus, que foi por causa de homem("certeza", eu ouvi), que a vida é tão boa pra se matar. 
Ninguém sabe e nem entende.
Eu entendo, um pouco, porque também já quis partir assim.

Eu juro que queria poder ter abraçado ela, falado que também passei por um período difícil e até tentei contra minha própria vida, mas que eu consegui descobrir que isso não era uma boa solução.
Eu a ofereceria ajuda, e faria tudo pra não perdê-la. 
Mas agora, eu choro a sua partida. Choro pela dor da impotência, pela vida tão nova(aparentemente) perdida, choro por toda uma família.
E rezo pra que Deus, que é o único que sabia das dores daquele coração possa acolhê-la e dar um abraço nela por mim.



Hoje, depois que quase um mês do acontecimento, eu continuo lamentando pela vida que partiu carregada de tanta dor. Lamento por saber que ela não foi a única e última. Que o número de suicídios é cada vez maior e que nem todo mundo entende ou procura entender o mundo do outro para poder ajudar. 
Seja gentil! Estenda a mão, mesmo que o outro pareça não precisar ou até mesmo que você julgue que ele não mereça. 
"Quem menos merece, é quem mais precisa"

sexta-feira, 23 de março de 2018

Se eu fosse uma estação...


... certamente seria o outono
Só pra tirar aquilo que já não serve mais.
Retirar as folhas velhas e deixar a cidade nos tons de amarelo e marrom.

Deixando coberto de folhas secas o chão em volta das árvores para ali também fortalecer a raiz com o passado. 
Deixar que as crianças brincassem com as folhas, fazendo do que passou um aprendizado e uma alegre descoberta.

Queria ser o outono com toda sua beleza e graça.
Que o cair das folhas lembrasse à todos que é hora de deixar ir certas saudades, certos amores e pessoas. 
Pois só nos desfolhando novas flores voltarão a brotar.
Só nos esvaziando que novas pessoas, amores e alegrias poderão enraizar e florescer em nós.

“Eu quero desaprender para aprender de novo.
Raspar as tintas com que me pintaram.
Desencaixotar emoções, recuperar sentidos.” – Rubem Alves




quinta-feira, 8 de março de 2018

Grãozinho de ouro

Hoje eu queria que o dom da composição, do canto e de tocar fizessem parte da minha vida. Quando a melodia vem de encontro as suas palavras, a mensagem ecoa com mais leveza.

Meu coração deseja cantar um amor. 
Mas não qualquer amor, mas um amor em específico.

Uma vida se forma em um ventre, o amor de um casal se concretizou. 
Uma criança está a caminho.

Seu anjo da guarda já está de prontidão.
Os corações ao redor dos pais já transbordam de ansiedade.
Está vindo o nosso meninão. 
Théo, um grande amor.

Para a família dos pais ele será o número três. 
Poderia dizer o terceiro, mas isso o colocaria em uma determinada posição. E não existe posição de netos/sobrinhos/filhos na família. Somente a multiplicação. 
Agora o amor na família é múltiplo de três...

Para os amigos dos pais ele será o sobrinho batráquio.
Certamente será paparicado. 
E também instruído a chamar de tios e zoá-los sempre que a oportunidade surgir. 

E para a miserável escritora que vos escreve, ele nada será...
Ele é!
É o meu sobrinho amado que tanto anseio por tê-lo nos braços, para poder cuidar e fazer sorrir. 
Concretamente sinal do amor de Deus, junto com a união de seus pais (que tenho a honra de ser irmã e cunhada) que chegará me animando e me trazendo novos motivos para que eu me emocione e derreta de amores. 
Um pingo de amor que inunda minha vida!

Pode chegar, hoThéo/Théolindo!
Que venha santificar seus pais e ser santo.

Alguns meses ainda lhe faltam para nascer, e nesse tempo cresça, se prepare, sinta, nos ouça é o amor que ecoa até você.

Você já é o próprio amor. 
Como costumo dizer: o amor embrulhado! 
Um doce mistério que queremos descobrir o rosto para poder dizer se é a cara do pai ou da mãe (que seja da mãe). E quando você chegar, veremos que o amor não é apenas uma decisão ou sentimento como muitos dizem, se concretizará que o amor é palpável.

O fruto de uma bela história de amor!

Vem Théeeeeeeeo! <3


A mamãe mais linda do ano, com seu amor embrulhado.


Sugestão de: Fernando da Mata

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Sobre amigos e tulipas

Não sei esse conhecimento faz parte da sua vida, mas para resumir, tulipas são peculiares.  O cultivo é delicado e tem uma época certa para florir.  Não dá pra ter tulipas durante todo o ano.

É possível que se tenha amigos durante todo o ano, mas quantos?! Quantidade ou qualidade? Chamamos de amigos todos aqueles que não são da família e de certa forma convivem e compartilham de algo em comum em nossa vida. Mas são amigos, realmente?! 

Alguém para sair e sorrir conosco é tão fácil de achar. Mas e aqueles que se doem ao nosso lado? Que não nos dão teorias,  mas exemplos de que a vida também é feita de segundas e não só sextas à noite? Esses são verdadeiras tulipas...  Raros de se encontrar, de fazer florir e cultivar. 

Amigo não é estar sempre perto,  mas sim dentro
Amigo não vem com manual de instrução: "o que ser/ter para cultivar e ser um bom amigo?"
Amigo sempre vem com um coração feliz, que aos poucos nos mostra suas fragilidades. E o ápice é quando ele permite que possamos cuidar.  
Ser amigo é se doar. 
É regar a amizade de memes divertidos e também de momentos dolorosos que se são superados juntos.
Amigo é se revelar no olhar sem dizer uma palavra. 

Ser amigo é ser responsável pelo sentimento do outro,  mesmo que você ache que não.  

Antes de querer um bom amigo,  seja. 
Antes de exigir parceria,  convites para um café e um ombro quando estiver triste,  se doe.
Antes de querer a tulipa florida na primavera, cultive seu bulbo durante as outras estações. 


quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Gatos, gatinhos, gatunos...

Há quem diga que gato é traiçoeiro
Que não gosta do dono, mas da casa.
Tem gente que fala que gato adoece as crianças
E que é bicho egoísta.

A maioria dessas pessoas não tiveram gato.
Ou se tiveram, não o souberam amar como um felino de verdade.
Esperaram que o gato agisse como um cão ou coisa do tipo.
Gato é manhoso
É felino, mas parece bicho preguiça.
Tem o instinto de querer conhecer o mundo, mas sabe a hora certa de aninhar no colo.

Gato é bicho curioso, que observa antes de dar qualquer passo.
Que ronrona quando ganha um carinho na barriga, mas se ele quiser, claro.
É bicho engraçado também. Traz bichos mortos e jura que é presente.

Mas além desse jeito todo fofo de ser do gato, ele é remédio.
Ele não vai adoecer seus filhos, se eles não forem alérgicos.
Ele não irá te arranhar quando estiver distraído e te abandonar em uma noite de inverno.

Gato é amigo.
Se você não estiver bem, ele vai chegar de mansinho, deitar do seu lado e ronronar para te consolar do choro.
E, acredite, ele não vai sair até você estar bem.

Ele vai pular no seu colo quando você menos esperar e deixar sua perna dormente, porque você vai ficar com dó de acordá-lo.
Vai ser seu companheiro nas noites frias, aquecendo seu pé.
E nas noites quentes a cama ficará pequena demais, mas você não vai tirá-lo de lá.


Só sabe o amor que é ter gato, quem tem/teve.
Não me venha com seus discursos contrários, sou amante dos bichanos!
E jamais se muda um coração que, verdadeiramente, ama!










sábado, 4 de novembro de 2017

Viver bem... O hoje!


Vive bem quem vive um dia de cada vez...

Quem não aposta no amanhã, mas faz de tudo para que ele aconteça da melhor maneira.
Quem não deixa a dor de ontem pesar na alegria de hoje.

Vive bem quem sabe comemorar o nascer de um novo dia e aproveita a nova oportunidade da vida.
Quem consegue admirar pequenos detalhes e deixar seu coração florescer diante das maravilhas ao seu redor. 

Vive bem quem transforma as folhas secas do outono em adubo para a próxima primavera. 
Quem permite que no seu inverno, seja aquecida por braços alheios. 

Vive bem quem tem a coragem de dar o primeiro passo e não espera demasiadamente pelo outro.
Quem não só pensa, mas também faz.

Vive bem quem consegue enxergar além do sorriso do outro, as dores que gritam por um ombro amigo. 
Mas também quem deixa ser visto sem máscaras e sem flores. 

Vive bem quem sorri sem medo, mas também chora quando o coração aperta.
Quem ama hoje como se fosse o último dia e não se limita em demonstrar esse amor.

Vive bem quem não tem pressa, mas se apressa em ser feliz.
Quem se conhece e consegue se reconhecer em corações alheios.


Saber viver é preciso... A gente consegue?! Nem sempre!  Vive bem quem, verdadeiramente, vive e não apenas sobrevive aos altos e baixos da vida.

Foto: Getúlio Santos @sangetulio


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Desculpa! Eu costumo errar.

Para meu espanto e a princípio "desespero", uns dias atrás minha mãe machucou o pé e levei-a ao o médico. Um senhor simpático e bem divertido, examinou o raio-x e nos disse - Olhando aqui a senhora, felizmente, não quebrou o pé. Mas eu costumo errar. -
Minha reação foi sorrir desconcertada e ficar pensando "como um médico fala isso?!". E como se estivesse lendo meus pensamentos, ele sorriu e respondeu em um tom descontraído - Ninguém é perfeito.  Se eu errar, me desculpem. - Senti um tapa na cara!
Como uma música chata fica na cabeça da gente por dias, essa frase ficou na minha e comecei a refletir sobre.

É tão comum querermos nos desculpar, mas não porque erramos e assumimos, mas sim justificando o erro para que não pareça nossa culpa.  Nos escondemos atrás de inverdades, apenas para não ouvir a reprovação do outro ou para parecer superior.

Tão mais digno e bonito, por mais que a princípio doa e até soe vergonhoso, dizer 
- Desculpa. Eu errei. - Assumir a falha, mostrar que também é feito de fragilidades e imperfeições.  Mas o orgulho, a soberba (algumas vezes), o medo de ser reprovado, nos faz esconder o erro, colocar a culpa em alguém ou simplesmente ignorar e fingir que não aconteceu, mesmo que atinja de alguma forma outra pessoa.

Assumir nossos erros não justifica e nem nos deixa imunes para sair por aí errando com tudo e todos. Aquela frase que acaba sendo “justificativa”, às vezes, em momentos de ignorância e arrogância “errar é humano” (e eu tenho outra teoria para essa frase, mas renderia outro texto), não pode ser uma máxima em nossas vidas. Não nos dá carta branca para viver errando.

Não assumimos e nos desculpamos só para o outro, mas sim para nós mesmos. Reconhecer o erro é o primeiro passo para começar de novo.  Não podemos ser fracos para cair em todos os buracos da vida, mas precisamos ser corajosos para levantar, pedir desculpas, assumir nossas quedas e procurar meios de seguir em frente.